Clima segue tenso no Jacarezinho após morte de delegado

776

Moradores da Favela do Jacarezinho estão apreensivos após o delegado da Polícia Civil e ex agente da Polícia Federal Fábio Monteiro ser encontrado morto na região. Uma operação policial ocasionou um intenso tiroteio na área e acabou com mais de 50 pessoas na comunidade.

Segundo moradores, uma intensa troca de tiros impossibilitou muita gente de sair e chegar em casa. Um camelô que vive em Manguinhos e trabalha na rua principal dos comércios do Jacarezinho contou à equipe da Agência de Notícias das Favelas que era grande o contingente de policiais na comunidade e que, por precaução, enecerrou suas atividades mais cedo.

Um helicóptero da Polícia sobrevoou o entorno da linha do trem e o ramal Belford Roxo da Supervia teve sua circulação suspensa. Um jovem sem identificação foi baleado quando correu para se proteger durante a incursão. Não há informações sobre seu estado de saúde.

Um vídeo compartilhado nas redes sociais mostrou ainda cerca de 50 ou mais pessoas, entre homens e mulheres, sendo encaminhadas de mãos dadas pra cidade da Polícia. “Só pegam trabalhador. Olha lá o menino do açaí”, diz uma voz anônima no vídeo, entre os transeuntes indignados que passavam pelo local e filmaram. O vídeo mostra ainda um policial atirando para o alto ao ordenar que os detidos abaixassem a cabeça.

Segundo informações, bandidos teriam assassinado o delegado próximo à Favela do Arará quando ele saía para almoçar, abandonando o corpo no Buraco do Lacerda. Diversas linhas de ônibus que passam pela região cortaram caminho.

Compartilhar
Artigo anterior2018 e a necessidade de cuidarmos de nós mesmos
Próximo artigoQue país (do futuro) é esse?
Tarcísio é estudante de Pedagogia pelo Instituto de Educação do Estado do Rio de Janeiro (ISERJ); Estudante de Marketing pela Universidade Castelo Branco. Participou de uma antologia poética pela Flupp Pensa de 2016 na categoria de poesias e contos, o que o levou a participar de uma antologia Je suis encore favela, que será lançada na França em 2018. É militante e participa do Jornal Comunitário Fala Manguinhos, da favela onde vive atualmente. Apaixonado pela vida, pelo rap e por livros acredita que a educação é a arma pra mudar o mundo.