Qual é o preço de um dia de guerra?

389
Créditos: Patrick Granja

O que vale mais: 22.500 crianças na escola ou oito armas apreendidas? Essa foi a troca feita pelo Governo do Estado na ação digna de espetáculo de circo realizada nesta segunda, 21, nas favelas do Jacarezinho, Manguinhos, Mandela e outras. Foram mobilizados mais de 7 mil homens pagos pelo Estado, pagos com nossos impostos – os mesmos impostos que, quando não é mal gasto, é desviado.

Para apreender oito pistolas, o (des)Governo do Estado fechou 31 escolas, 11 creches e 12 EDI. Isso, por si só, já seria um grande absurdo, mas toma proporções ainda maiores quando lembramos que, na sexta-feira, 18, já não houve aula no ensino público estadual e municipal. Isso sem mencionar os colégios privados e todas as creches e escolas para crianças até 6 anos do Jacarezinho que suspenderam suas aulas na última semana.

Não bastando todo o espetáculo midiático, diversos relatos de ilegalidades circularam pela região. Houve desde casas invadidas, lojas arrombadas e prisões arbitrárias ou ilegais ao pé da lei, como o caso da sra. Alessandra, surpreendida no interior da sua casa, sem mandado de prisão individualizado. No local, foi encontrada uma quantidade de drogas e uma arma, que desde o primeiro momento ela afirmou serem de seu filho.

Após lavrado o auto de prisão em flagrante, seus advogados fizeram contato com os policiais responsáveis, informaram que o rapaz iria se entregar e confirmar a propriedade das substâncias ilegais. Tal fato, entretanto, não foi aceito pela autoridade policial. Ainda que a justiça a ser feita e cumprida naquele momento fosse a realização de oitiva do rapaz e seu indiciamento como proprietário das drogas, preferiu-se levar a mãe presa, sabe-se lá por quê – talvez, por preguiça de refazer o procedimento, talvez, por se tratar de uma senhora aposentada.

Depois do estardalhaço, Comlurb e Light subiram o morro para fazer reparos, quando, quase simultanetamente, a Secretaria Municipal de Educação resolveu suspender as aulas em 15 escolas localizadas próximo ao Jacarezinho. É difícil entender quais são as prioridades do poder público.