Waackileaks!

673

A semana começou tensa. Em São Paulo – a Paulicéia Doriana, a Locomotiva Medieval do Retrocesso -, um bando de reaças desvairados (reaças são os novos Gremlins? Eu me pergunto…) queimavam simbolicamente umx bonecx da filósofa Judith Butler.

Agoniado, abri imediatamente o Word para escrever o épico obscurantista “Os últimos dias do Sesc Pompeia”.

Mas ontem, veio aquele pequeno alívio, aquela nanoalegria de ver um âncora atirando-se ao mar, sem corrente, para lá permanecer e desafiar os arqueólogos do futuro. William Waack foi afastado do Jornal da Globo após a viralização de um vídeo em que faz comentários racistas.

É golpista. É coisa de golpista.

Waack foi uma espécie de vampiro getulista involuntário: se matou com uma estaca que ele próprio cravou no peito.

William Waack is the new Kevin Spacey.

Butler ilesa. Waack queimado. Há esperança.

E como fiquei intensamente mexido, fui ouvir a rainha da intensidade Elis Regina:

“Waack Waack Waack
Quem riu?!
Waack Waack Waack
Fui eu!”

Pensei que o destino é um mandrake: não teve #foratemer! Mas teve ForaWaack!

Ali Kamel já planeja publicar a continuação do seu best-seller: “Somos, sim”.

A lição que fica é clara: Todo William Waack tem um quê de Bolsonaro – o apresentador do Jornal da Nojo.

Um conhecido imaginário que trabalha na Central de Jornalismo da Ku Klux Kamel me contou ter ouvido o seguinte diálogo.

– Não somos racistas!
– Somos, sim…
– Onde?!
– Aqui, Kamel…

Outro conhecido imaginário que trabalha na portaria da Vênus Bolsonada narrou que uma pequena multidão apareceu diante da emissora e cantou com força:

– Não acabou!
Tem que acabar!
Eu quero o fim
Desses Telejornarrr!

Eu mesmo ouvi dois bêbados conversando na Lapa:

– Maaaaa… uuuu ke tuuuu achou?
– Aaaahhh… mais ummm santu du pau waack

Agora tá 7×2, minha gente! Vamos suar a camisa e virar esse jogo!

Todo golpista será castigado! Todo racista será golpeado!

Compartilhar
Artigo anteriorEm noite de emoção, ANF recebe Medalha Pedro Ernesto
Próximo artigoÔnibus leva espetáculo para a Maré
Dramaturgo, diretor teatral, ator, educador e ativista cultural. Escreveu e dirigiu o espetáculo "Mundo Grampeado - Uma ópera tecno-tosca" entre outras produções da Cia Monte de Gente, fundada em 2006. Participa ativamente do movimento Reage Artista e foi um dos articuladores do Ocupa Lapa. É também idealizador do Facedrama, ferramenta de dramaturgia coletiva online. É autor das peças "Entregue seu coração no Recuo da Bateria", "Um de Nós - A Saga quase olímpica de um judoca iraniano" e do musical infantil "Aninha contra o Feiticeiro de Lixoxxx"