Viaduto 31 de Março: uma outra Marquês de Sapucaí

758
Populares na arquibancada montada em frente à área de concentração do Sambódromo, uma das áreas alternativas para assistir os desfiles na faixa (Créditos: Rennan Rebello / ANF)

Evento muito esperado no Brasil, os desfiles das escolas de samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro atraem moradores e turistas de várias partes do mundo, que cobiçam os concorridos ingressos para estar na Marquês de Sapucaí. Porém, existe por ali um lugar privilegiado que permite assistir ao espetáculo sem gastar nenhum tostão: o Viaduto 31 de Março, onde populares se aglomeram e assistem ao show diretamente de um “camarote popular”.

O entorno do Sambódromo sempre fica lotado de curiosos que querem ver em primeira mão o luxo dos carros e alegorias. O Viaduto 31 de Março, que liga o bairro de Santo Cristo ao Túnel Santa Bárbara, é um destes lugares e costuma ter a pista no sentido Zona Sul interditada para o tráfego de carros. Isso permite, nos dias de apresentação das agremiações no Sambódromo, a livre circulação de pessoas que disputam um espaço atrás da grade de proteção para conferir o espetáculo carnavalesco.

O gesseiro José Santos preferiu assistir às escolas no viaduto devido ao alto valor dos ingressos, que variam entre R$ 300 e R$ 800. “Achei os preços caros e preferi assistir daqui de cima. Consigo assistir todos os desfiles, que estão de alto nível”, afirma ele, que tem como favorita a Beija-Flor de Nilópolis.

Em dias de festa, o Viaduto 31 de Março é ocupado por foliões e ambulantes, que vendem cerveja, refrigerantes e lanches. No elevado, também é possível ter uma visão panorâmica das atrações no Terreirão do Samba, do outro lado da pista. Ou seja, para quem quer curtir o fervo do carnaval carioca e ao mesmo tempo economizar, o viaduto é o lugar.