Santa Teresa e Fallet: entre a cruz e a espada

4687
Morro do Fallet. (Créditos: Levy Cerqueira)

Não é de hoje que grupos de moradores de Santa Teresa se reúnem com autoridades para discutir uma saída para a violência que assola o bairro, afastando o turista e dificultando a vida dos moradores. Movimentos como Santa Sem Violência e a Amast (Associação de Moradores e Amigos de Santa Teresa) vêm, ao longo dos tempos, reivindicando mais policiamento na região, que ultimamente anda mais conhecida pelos assaltos do que pelas atrações culturais e vistas de cartão-postal.

Não há policiamento ostensivo nas subidas de Santa Teresa, onde são constantes os assaltos. Em geral, os bandidos vêm de moto ou carro, roubam pessoas e grupos que estão subindo a pé. Após a ação, descem em diversas direções. As rotas de fuga podem levar a Zona Sul, Zona Norte e ao Centro devido à própria topografia do bairro.

Logo após um ato pelo fim da violência, um grupo de turistas foi assaltado. Mesmo assim, quase todo o aparato policial é destinado apenas ao combate as drogas no alto do bairro, nas favelas do Fogueteiro, Coroa e Fallet. Esta última vem sofrendo incursões diárias.

Em uma delas, a PM surpreendeu os traficantes invadindo o quintal de uma casa onde moram apenas mulheres e crianças. Os policiais desmontaram a fechadura do portão (que era novo em folha) e iniciaram o tiroteio no beco estreito, colocando em risco a vida de muitas famílias, segundo relatos nas redes sociais de uma moradora e missionária, indignada com a invasão de sua casa.

Enquanto nas áreas nobres os moradores clamam por mais policiamento, nas favelas, mais polícia é sinônimo de mais violência. Assim, só resta aos favelados orar ao Espírito Santo para acabar com os abusos da Polícia Militar.

Compartilhar
Artigo anteriorPreocupado com as escolas?
Próximo artigoFesta leva funk e black music ao Santa Marta
Tiago Nascimento colaborador ANF, gosto de contar boas histórias através do cinema, do jornalismo e da poesia. Também gosto de distribuir o jornal A VOZ DA FAVELA, tenho um ponto de distribuição no bairro da Glória, perto da rua Candido Mendes. Apareçam para um bate-papo.