Por que um encontro de comunicação comunitária?

517
Créditos: Reprodução Internet

Como muitos já sabem, em breve a Agência de Notícias das Favelas realiza o I Encontro Latino-americano de Comunicação Comunitária. O I ELACC vai promover debates, oficinas, trocas e intercâmbios entre os fazedores de comunicação comunitária no Brasil (principalmente no Rio de Janeiro) e coletivos de referência da Argentina, Uruguai, Equador e Bolívia.

A programação deve contar com atividades externas em comunidades e territórios, promovendo a integração mais ampla possível entre os participantes. Bem antes de começar o evento, as redes já começaram a pensar juntas uma programação aberta, livre e colaborativa, preparatória para o III Congresso Latino-Americano de Cultura Viva Comunitária, que acontece no fim do ano em Quito, no Equador.

Não é difícil imaginar a riqueza de conhecimentos a ser trocada em um evento como esse. A potencialização das ações de comunicação em rede pode ser o gatilho que falta para impulsionar as mídias alternativas na América Latina. A integração é o caminho para o jornalismo ético, limpo de desconfianças que rondam os grandes cartéis de comunicação no Brasil.

Além disso, o público geral poderá conhecer experiências de comunicação comunitária em favelas, comunidades e territórios da cidade, despertando o interesse em “fazer notícia” ou procurar por veículos legítimos. A presença também de estudantes, pesquisadores e ativistas confere o caráter técnico e teórico do encontro, importante para embasar a produção jornalística.

São muitas as razões para aderir. Comunicadores da palavra, das redes digitais ou do mundo de trás das câmeras, uni-vos!