Penúltima etapa da Batalha do Real agita a Arena Dicró

378

No último domingo (30), a Batalha do Real realizou uma de suas últimas etapas na Arena Carioca Dicró. 16 MCs disputaram uma vaga para a final, que acontece ainda este mês no Circo Voador.

Por volta das 17h, já era grande a movimentação de jovens pelos arredores do Parque Ary Barroso, onde fica a arena. As lendas do freestyle carioca Old Dirty Bacon e Chapadão foram os mestres de cerimônia, mostrando suas habilidades com as rimas e interagindo com o público. O grupo MenteNativa Rap abriu o evento, que ainda contou com shows de veteranos como Rico Neurótico e Airá OCrespo.

Cruzar a cidade foi um dos motes da temporada 2016 da Batalha do Real, que passou por Botafogo, Méier e realizou ações também em Nova Iguaçu e Olaria. Mell Brito, uma das representantes femininas da edição 2016, também levou isso a sério. Ela saiu de São Gonçalo, região metropolitana, e foi até a Penha, na Zona Norte do Rio, para o grande dia. “A distância é um obstáculo, mas o importante é mostrar minhas rimas onde for, ainda mais em um espaço no qual ainda são poucas mulheres”, explica.

 

batalhadicro01
Créditos: Bruno Machado / ANF

 

Estar em muitos lugares fez a diferença. A disponibilidade de equipamentos públicos de cultura, abertos a ações do tipo, também: “Estamos sendo muito bem recebidos em todos os lugares. A qualidade de equipamentos e dos profissionais que trabalham nas arenas é muito bom. A galera entende a nossa proposta”, elogia Aori, MC e um dos criadores da Batalha do Real. A possibilidade de realizar futuramente uma ação da Batalha dentro das favelas é uma possibilidade e também um desafio: “Manter a estrutura e toda a logística não é fácil. Mais do que realizar, também queremos ajudar a fomentar os movimentos que já existem nesses lugares”.

Outra novidade da temporada 2016 é o apoio de selos independentes que são destaque na cena do rap carioca, com a presença de seus artistas durante os eventos da Batalha do Real. O DJ e produtor da Tudubom Records Mãolee apresentou músicas do projeto PagoTrap, que faz remixes de músicas de pagode com o trap, ritmo que domina as pistas de dança. Akira Presidente e Sain, que hoje compõem a Pirâmide Perdida, também se apresentaram.

 

batalhadicro05
Créditos: Bruno Machado / ANF

 

“Comecei a rimar quando acompanhava as batalhas na Lapa. Isso aqui é histórico. É o começo pra muita gente, dando oportunidade pra molecada se expressar” afirma Sain, conhecido do grande público principalmente pelos trabalhos que realizou com o pai, Marcelo D2. Para Akira Presidente, participar das batalhas é como voltar no tempo. Ele foi o vencedor da primeira edição da Batalha do Real. “Essa vivência aqui é a base de tudo. O que muda de quando comecei é só a roupa. Os sonhos, a disposição e vontade de dar o melhor são as mesmas da minha época”, explica.

A final da etapa na Penha foi disputada por dois MCs de São Gonçalo, solo fértil de rimadores da cena de freestyle: Johnny e Pelé Milflows. Em uma disputa com muito bom humor e rimas certeiras, Johnny levou a melhor. Ele agora disputa o título de rei da Batalha do Real com o MC Xan, já classificado em etapas anteriores, na grande final, que acontece em 23 de novembro.