Jovens empreendedores participam de imersão no Alemão

1114
Créditos: Divulgação

No último final de semana, a imersão Bateu uma Onda Forte levou dez jovens para o Complexo do Alemão. A ação, organizada pelo coletivo GatoMÍDIA, ofereceu formação em empreendedorismo para moradores de diferentes favelas do Rio de Janeiro, como Santo Amaro, Morro da Coroa, Maré,  e Providência no espaço de trabalho coletivo Casa Brota.

Foram três dias intensos, discutindo comunicação, gestão de projetos, cocriação, autoperformance, autoconhecimento e autogestão, com palestras e oficinas ministradas por Thamyra Thâmara (GatoMídia), Jessica Cergueira (Quebrada Maps), Pedro Cruz (Rio Eu Amo Eu Cuido), Marcelo Magano (Magano e Sonata) e Monique Evelle (Desabafo Social).

Créditos: Divulgação
Créditos: Divulgação

A Casa Brota – Coworking de favela foi o palco de uma rica troca de vivências, metodologias e sistematização de ideias. A maranhense Yasmin Costa, 19, se entusiasmou com a experiência.

– Passei o final de semana com pessoas que eu não conhecia. Foi incrível. Tudo que aprendi lá vou levar pro resto da vida. Já estou com muita saudades de todos, afirma a jovem, que vive no Morro da Providencia há três meses.

O morador do Morro Santo Amaro Anderson Batista, 24, também só trouxe impressões positivas:

– Amoleci mais ainda as minhas sensibilidades. Aprendi muito com as pessoas e a amarmos mais uns aos outros, olhar para motivos e razões que nunca havia enxergado, resume.

Compartilhar
Artigo anteriorUm dia no Ocupa Escola
Próximo artigoViolência obstétrica: negligência, dor e horror durante o parto
Poetisa, Rapper e Produtora, a Mc Martina tem 19 anos e é moradora do Alemão. Idealizadora do Somos Mais, projeto que tem como objetivo mostrar um outro ponto de vista sobre pessoas em situação de rua de dentro e em entorno das favelas do RJ. Também integra o Coletivo #Movimentos: Drogas, Juventude e Favela, uma iniciativa do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC/UCAM) que reúne jovens de diferentes favelas do Rio de Janeiro para discutir a atual política de drogas. Atualmente trabalha como Inovadora Social no Instituto de Tecnologias Sociais e Digitais- Precisa Ser.