Escola bilíngue é referência no Complexo do Alemão

489
Créditos: Divulgação

Nas paredes da Escola Municipal Professor Afonso Várzea, os tradicionais murais coloridos dividem espaço com expressões em inglês e frases em português. Na entrada da unidade, um cartaz recepciona todos com “Seja bem-vindo” e “Welcome”. O ambiente imerso em duas línguas revela que a unidade é uma das 10 escolas bilíngues da Rede Municipal de Ensino.

Implantadas em 2013, as escolas bilíngues têm o objetivo de introduzir metodologia e práticas de ensino em duas línguas da Educação Infantil ao 6º Ano. Das dez unidades, nove oferecem o ensino em Inglês e uma em Espanhol. O projeto inicial é de implantação de 11 escolas desse tipo, uma em cada Coordenadoria Regional de Educação.

Créditos: Divulgação
A professora Glaucia Morais nasceu no Alemão e voltou para dar aulas de Inglês (Créditos: Divulgação)

Localizada no Complexo do Alemão, a Escola Municipal Professor Afonso Várzea foi uma das primeiras unidades inseridas no projeto. Coordenadora de Inglês da unidade, a professora Glaucia Morais, de 29 anos, nasceu e foi criada até os sete anos no Complexo do Alemão. Quando soube que o projeto seria implantando na sua antiga comunidade, fez questão de participar: “Quis voltar a minha raiz e fazer diferença na vida dessas crianças através da Educação, assim como aconteceu comigo. Sempre estudei em escola pública e sei que aqui eles também podem ter oportunidades”, conta.

Nas escolas bilíngues, os alunos da Educação Infantil têm 15 tempos de aula em Inglês ao longo da semana, enquanto que os estudantes do Ensino Fundamental contam com 10 tempos. Em uma escola regular são oferecidos dois tempos da disciplina por semana: “Além dos tempos em inglês, aproveitamos para inserir o idioma em outras disciplinas, como por exemplo, a Matemática. A escola se tornou uma referência na rede e principalmente no Complexo do Alemão”, explica a diretora da unidade Ana Patrícia Capuano.

Os professores que atuam no ensino de Língua Inglesa são escolhidos através de um processo de seleção interna entre os profissionais do quadro de docentes da rede. Já os professores das outras disciplinas que dão aulas nessas escolas, assim como os funcionários, recebem bolsas de estudos de Língua Inglesa.

Há três anos, os alunos do 5º ano são avaliados pela Universidade de Cambridge, da Inglaterra, por meio de uma prova oral e escrita, com o objetivo de identificar seus níveis na Língua Inglesa. Após a avaliação, os estudantes recebem certificados de proficiência da universidade.