“É, sim, lá em Acari”: conheça a feira mais famosa da Zona Norte

1235
Créditos: Buba Aguiar / ANF

A Favela de Acari, localizada na Zona Norte do Rio de Janeiro, é uma favela com pelo menos de cinco décadas de existência e quase 30 mil habitantes atualmente. E é lá que ocorre todo domingo uma das feiras mais famosas do Estado: a Feira de Acari. Tema de clássico do funk e citada até em música de Jorge Ben, a feira ocorre há décadas e garante o sustento de muitas famílias de moradores.

“Há anos, meu trabalho é esse aqui. Sustentei minha família vendendo meus legumes e minhas verduras aqui na feira com muito orgulho. E agora meu filho me acompanha e me ajuda nas vendas”, conta o feirante conhecido como Russo. Ele repete uma antiga tradição local: muitas das bancas são repassadas de pai para filho. Os moradores se orgulham da feira, que vende de tudo – de roupas e sapatos à produtos eletrônicos. Muitas pessoas de outros bairros também costumam frequentar a tão conhecida feira.

 

dscf1772
Feirantes em Acari (Créditos: Buba Aguiar / ANF)

 

A Feira de Acari é um espaço de convivência para vizinhos e amigos, que se esbarram nas ruas, indo ou vindo de lá. O domingo é naturalmente o momento que as pessoas conversam melhor, colocam a dispensa de casa em dia e também se divertem. “A feira é um lugar muito alegre, colorido, musical e que reflete muito o clima daqui. Se a favela está triste por algum acontecimento, a feira também amanhece triste. Se nada de ruim estiver acontecido, aí é só badalação”, analisa Carla Santos, que mora em Acari desde que nasceu.

Localizada em uma favela com uma cena cultural agitada, recheada de festas, ensaios da escola de samba Favo de Acari e pelo clássico baile funk que acontece aos sábados, a Feira de Acari tem muitos admiradores na comunidade. Os moradores se dizem felizes por terem na feira um espelho de tudo que a favela tem de bom: “Não tem quem venha aqui e não saia contagiado pela alegria dessa feira, e duvido que também não compre nem que seja um pezinho de alface ou um saquinho de tempero”, finaliza o morador Mario Souza, de 57 anos.