Crowdfunding quer profissionalizar dez dançarinos de passinho

1451
Créditos: Byron Mendes

Não há muito tempo, foi noticiado aqui mesmo no portal da ANF a conquista do registro profissional (DRT) de dançarinos da modalidade “passinho”. E é para manter vivo o sonho da profissionalização dos bailarinos que o produtor cultural, pesquisador e também dançarino Hugo Oliveira criou uma vaquinha virtual para custear o registro de dez artistas de diferentes comunidades do Rio e Baixada Fluminense.

O passinho já fez com que muitos jovens das favelas saíssem de caminhos obscuros para se encontrar na arte. Muitos desses dançarinos, porém, perdem várias oportunidades de trabalho no teatro, espetáculos de dança e TV porque é necessário ser portador de DRT para exercer estas atividades. O alto custo, que gira em torno de  R$500,00, dificulta todo o processo.

Percebendo o entrave para alcançar o reconhecimento profissional na vida de muitos colegas, o morador do Morro da Providência Hugo Oliveira criou a campanha on-line “Vaquinha do Passinho para registro no DRT”. O objetivo é arrecadar R$5.000,00 para que os dançarinos Leet Oliveira (Cidade Alta), Thayna Oliveira (Duque de Caxias), Juruba (São João), Yuri Mister (Vila Isabel), Coyote (Rocinha), Marreta (Manguinhos), Nem Carlos (Manguinhos), 2p Imperador (Cidade de Deus) e Bruninho IDD (Cidade de Deus) possam vencer essa batalha e, assim, continuar a trabalhar.

– O registro é super importante como poder de convencimento para os familiares e amigos, já que o adolescente ainda está em fase de formação. Ainda auxilia na construção de referências positivas para a comunidade local e como “distintivo” para andar pela cidade num ato em defesa contra os abusos policiais. Falo isso com pesar, pois já serviu para mim, explica Hugo, que desde o ano passado se movimenta para ajudar outros bailarinos de passinho na formalização de suas atividades.

A equipe por trás do crowdfunding, composta por Hugo, Thiago de Paula, Raíssa de Castro e Diana Anastácia, está mobilizando apoiadores através de rifas e nas redes sociais. O movimento já rende bons frutos, com doações, inclusive, de fora do país – a dinamarquesa Marie Gumdrop tem feito arrecadação de fundos e já conseguiu R$1.200,00 para a iniciativa. Os interessados em contribuir devem acessar o site Vakinha e fazer contribuições até 05 de agosto.