Companhia Manguinhos em Cena encerra a temporada da comédia “Sintonia Suburbana” na zona norte do Rio de Janeiro

108

O espetáculo formado por 27 moradores de Manguinhos se apresenta na  arena cultural da Pavuna, por meio do Prêmio Fomento à Cultura Carioca da Secretaria Municipal de Cultura.

Foto: GuiMaia
Foto: GuiMaia

Depois de 11 apresentações com muita música, humor, espontaneidade, crítica social e inteligência, a rádio (fictícia) “Sintonia Suburbana”, espetáculo inspirado no cotidiano dos moradores do Complexo de Manguinhos, encerra a longa temporada de sucesso pelas lonas e arenas culturais da cidade. A comédia já assistida por mais de 2500 pessoas desde o último mês de agosto, se apresenta na quarta-feira,  dia 21 de outubro, na Arena Cultural Jovelina Pérola Negra, na Pavuna. A circulação do espetáculo recebeu o Prêmio Fomento à Cultura Carioca 2014 e tem patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura. “Sintonia Suburbana” tem preços populares (R$ 0,50 e R$ 0,25).

Criado em 2012, o espetáculo de repertório é dirigido por Luís Igreja (Companhia do Gesto) e traz a dramaturgia assinada pela premiada Renata Mizrahi (“Galápagos” – Prêmio Shell 2014, “Silêncio!”, “Joaquim e as estrelas”), com histórias inspiradas no cotidiano dos integrantes do grupo e na realidade vivida por eles nas favelas em que moram, no Complexo de Manguinhos.

Por onde passou, a comédia sempre teve casa cheia e grande empatia com o público. Tratando de temas essencialmente cariocas, de um jeito carioca, “Sintonia Suburbana” celebra os 450 anos de um Rio de Janeiro que não é só sol, mar, montanha, bossa nova e mate com limão. É o corpo, a dança, a sensualidade do baile funk; são as situações tipicamente suburbanas, a solidariedade e os conflitos nas relações, na família, entre vizinhos. E é, principalmente, a capacidade de cada um de rir de seus próprios problemas e dificuldades, dando leveza a temas como violência, balas perdidas, remoções, religiosidade, identidade e transexualidade.

Quando, em 2012, a Companhia de Teatro Manguinhos em Cena surgiu na Biblioteca Parque de Manguinhos, aqueles novos artistas cheios de sonhos não sabiam da força que conquistariam por meio da arte, que poderiam  expressar seus anseios e conquistas, dificuldades e alegrias, limitações e superações, angústias e emoções. Sim, eles puderam. E puderam mais do que se expressar por meio de um grupo de teatro: são hoje uma referência para jovens e crianças do território em que moram e já começam a despontar como produtores culturais e referência do território na relação com outras regiões do Rio de Janeiro, recebendo convites e participando de debates sobre a construção de políticas culturais para a cidade.

“Abrir as sessões também para escolas públicas nas regiões atendidas pelas lonas é a realização do desejo de estimular, cada vez mais, a formação de público para o teatro que existe no Manguinhos em Cena. Para o grupo, é muito importante poder fazer ações formativas como essa. Basta lembrarmos que, há quatro anos, quando o grupo nasceu dentro da Biblioteca Parque de Manguinhos, vários deles nunca tinham assistido a uma peça. Hoje são eles os artistas que estão em cena. Poder oferecer o espetáculo para plateias de jovens estudantes que, talvez, também nunca tenham assistido a um espetáculo de teatro ou que, principalmente, possam ver na cena a possibilidade de transformar sua própria realidade. É o tipo de ação que é bastante gratificante para o grupo”, diz a coordenadora Ana Carina Santos.

Além de atuarem artísticamente, construírem seus textos, seus figurinos, prepararem cenários e iluminação; pensam a arte como um caminho profissional de empreendedorismo, elaboraram e captam recursos para seus projetos.

Como se não bastasse essa nova fase no trabalho do grupo, circulando com a peça por diferentes bairros cariocas, o momento é ainda mais especial porque o projeto de circulação premiado foi elaborado pelos próprios integrantes do grupo, e todos são hoje profissionais – sim, todos os 27 integrantes conseguiram registro profissional na Delegacia Regional do Trabalho.