Caso Maria Eduarda: escola reabre nesta quinta, 06

286
Maria Eduarda da Conceição, de 13 anos, morreu após ser baleada dentro da Escola Municipal Daniel Piza, em Acari (Créditos: Reprodução Internet)

Depois de uma semana sem aulas após a morte de Maria Eduarda da Conceição, de 13 anos, em suas dependências, a Escola Municipal Jornalista e Escritor Daniel Piza, em Acari, reabre nesta quinta, 06, às 10h, com um culto ecumênico e outras atividades.

A partir de hoje, as 1.537 unidades escolares do município do Rio de Janeiro fazem um dia de mobilização contra a violência e iniciam uma campanha pela paz na cidade. O evento na escola Daniel Piza deve incluir a presença de diretores e professores de outras unidades, além de autoridades. Integrantes do time de basquete do Flamengo, do qual Maria Eduarda era fã, estão entre os convidados. Todas as escolas e também as 22 vilas olímpicas que são de responsabilidade da Secretaria Municipal de Educação, Esportes e Lazer também vão estender faixas com os dizeres “Aqui é um lugar de paz”.

A discussão da violência nas escolas já estava em pauta pela Secretaria Municipal de Educação, Esportes e Lazer. A morte de Maria Eduarda apenas levou as ações já esboçadas a um novo patamar, de acordo com o secretário de Educação, Esportes e Lazer César Benjamin:

– Todo o nosso cronograma deve ser compactado, e novas ações precisam ser pensadas, porque é enorme o número de moradores do Rio que, com razão, mostram sinais de impaciência e desespero com a situação atual da cidade, do estado e do país, sentimentos que se associam ao descrédito nos partidos políticos e na ação do poder público.

O fechamento de escolas e tiroteios no horário de entrada ou saída de crianças e adolescentes são uma reclamação constante de moradores das favelas da cidade. Em reunião realizada no último dia 03 com os 11 coordenadores regionais de Educação para traçar uma estratégia de abordagem do problema da violência nas escolas, foi proposta a elaboração de um abaixo-assinado a ser entregue ao comandante do 41º Batalhão da Polícia Militar, responsável pela área e onde estão lotados dois policiais suspeitos do crime. Laudos preliminares já constatam que um dos tiros que matou Maria Eduarda teria partido de uma das armas apreendidas com eles, que também são acusados de matar dois traficantes que já estavam rendidos.

As medidas de enfrentamento da Secretaria Municipal de Educação também devem incluir um encontro ainda esta semana entre coordenadores das regionais e os batalhões de suas áreas de abrangência para discutir a de vulnerabilidade das escolas.