Carnaval na favela é folia, mas também resistência

718
Bloco Se Benze Que Dá, criado por moradores da Maré. (Créditos: Luiz Baltar)

O carnaval já chegou e, com ele, uma série de atividades começam a tomar as ruas do Rio de Janeiro em uma festa repleta de criatividade, diversidade e irreverência. Esse ano, mais de 40 blocos oficiais vão desfilar nas favelas cariocas, em 66 desfiles distribuídos pelo mês de fevereiro. Pinto Sarado e Escorrega Mas Não Cai, na Zona Portuária; Boca Quente, no Complexo da Maré; e Alegria da Mangueira, no Morro da Mangueira, são exemplos de grupos que prometem agitar ainda mais a festa de Momo. A prefeitura estima que mais de 90 mil pessoas participem dos cortejos nessa parte da cidade.

Blocos do carnaval 2017 já agitam diversas favelas; veja a programação

Apesar da programação oficial, a grande maioria dos blocos de favela não faz parte do calendário da Prefeitura do Rio. Alguns adotam uma postura de resistência e trazem um tom mais crítico em suas letras – mas sem deixar a brincadeira de lado, claro. É o caso do Se Benze Que Dá, agremiação do Complexo da Maré que tem se firmado como um importante movimento cultural e de contestação acerca da criminalização da pobreza e dos movimentos sociais.

– O bloco nasceu para trabalhar a questão do direito de ir e vir por toda a favela. Muitos moradores têm medo de circular por ela por causa da violência que o Estado causa ao nosso povo – conta a jornalista e comunicadora comunitária da Maré Gizele Martins, 31.

Bloco Se Benze Que Dá, criado por moradores da Maré. (Créditos: Luiz Baltar)
Bloco Se Benze Que Dá, criado por moradores da Maré. (Créditos: Luiz Baltar)

O Se Benze Que Dá toma as ruas da favela desde 2005, com uma média de 70 integrantes, entre passistas e bateria, e composições próprias sobre a realidade local. Temas como legalização das drogas, remoções, megaeventos e até mesmo o conhecido Caveirão do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope) já foram abordados nas marchinhas. Formado por mulheres, crianças e jovens militantes por melhorias na favela, o grupo convoca os moradores a participar da brincadeira durante os cortejos ao som do slogan “Vem pra rua, morador!”.

O bloco não conta com nenhum apoio institucional, o que dificulta manter uma rotina de ensaios e conseguir instrumentos para todos os participantes. “Infelizmente, a gente não tem se reunido nos últimos anos para aprender a tocar, o que é um problema”, explica Gizele. Os desfiles acontecem duas vezes por ano, em dois sábados, antes e depois do carnaval, no Complexo da Maré, que possui 16 favelas. No primeiro desfile, o Se Benze Que Dá percorre uma parte da Maré, e no sábado pós-folia, a outra.

– Os mareenses curtem o bloco, curtem a felicidade, o batuque, os cartazes que levamos. As crianças são os principais seguidores quando passamos pelas ruas da Maré. Algumas pessoas sabem tocar os instrumentos, outras não, mas esse não é um pré-requisito nosso. Aqui, todo mundo é bem-vindo ­– finaliza.

 

Grupos independentes também movimentam o subúrbio

Bloco D'águas, criado no Subúrbio da Leopoldina (Créditos: Divulgação)
Bloco D’águas, criado no Subúrbio da Leopoldina (Créditos: Divulgação)

No asfalto das periferias, muitos outros grupos também se organizam por conta própria, buscando financiamento entre os membros e simpatizantes. É o caso do Bloco D’águas, que reúne amigos da região da Leopoldina, dos bairros da Penha, Olaria, Bonsucesso, Vila Cruzeiro, Complexo do Alemão e Maré.

– Nós gostamos muito de carnaval de rua e vimos que essa nova linguagem carnavalesca, que vai além de samba e marchinhas, se concentrava muito na Zona Sul e no Centro. Então, resolvemos criar nosso próprio bloco – explica Rafael Santos Nunes, 29, professor de Biologia e um dos organizadores do grupo.

O Bloco D’águas realiza ensaios em todas as terças-feiras de fevereiro, às 19h, na Arena Carioca Dicró, além de ocupar ruas e praças de toda a região.