Biblioteca comunitária da Kelson’s ameaça fechar

920
Créditos: Divulgação

O único espaço dedicado à literatura na Favela da Kelson’s, no Complexo da Maré, corre sério risco de encerrar suas atividades. A Biblioteca Comunitária Nélida Piñon enfrenta dificuldades financeiras e busca doações para manter as portas abertas em meio à crise.

Fruto do sonho pessoal do paraibano Geraldo de Oliveira, a Biblioteca Comunitária Nélida Piñon foi inaugurada em 2007 e possui um acervo de 3.000 livros, arrecadados dentro e fora da favela. Geraldo é morador da Kelson’s “desde a época da Praia das Moreninhas”, como gosta de lembrar, e sempre desejou fazer algo pela comunidade onde criou cinco filhos e três netos ao lado da esposa Maria Madalena. “A biblioteca nasceu diante da necessidade de uma opção de entretenimento e pesquisas para os nossos jovens”, conta o ex-estudante de Pedagogia, que tem 68 anos e já foi auxiliar de serviços gerais, vendedor e até segurança da Casa da Moeda antes de se aposentar.

A escritora e Imortal da Academia Brasileira de Letras Nélida Piñon, que dá nome à biblioteca da Favela da Kelson's, chegou a visitar o espaço. (Créditos: Divulgação)
A escritora e Imortal da Academia Brasileira de Letras Nélida Piñon, que dá nome à biblioteca da Favela da Kelson’s, chegou a visitar o espaço. (Créditos: Divulgação)

A biblioteca é mantida pelo casal Geraldo e Maria Madalena de Oliveira com a ajuda de três voluntários. O espaço é frequentado por crianças, jovens e adultos da Kelson’s. Além dos volumes disponíveis para consulta, o projeto ainda oferece programas de alfabetizacão de adultos, assistência jurídica e realiza de concursos de poesia a passeios com as crianças da comunidade. A própria Nélida Piñon, escritora e Imortal da Academia Brasileira de Letras, chegou a visitar a sede durante a festa de quatro anos de fundação.

O fim da parceria com o Rotary Club há um ano e meio, que financiava boa parte das atividades, deixou o projeto em uma situação bastante difícil. Os recursos próprios do fundador e as doações espontâneas de moradores não têm sido suficientes para cobrir todos os custos. Eles precisam desocupar o imóvel até o fim do mês por causa dos atrasos no aluguel. Geraldo de Oliveira quer agora manter vivo o sonho com o apoio da população e de empresas:

– Já estamos devendo R$ 1.300. Não temos como pagar. Esperamos contar com patrocinadores para continuar disponibilizando um pouco de cultura e esperança à comunidade local.

Muitos moradores lamentam a situação da Biblioteca Comunitária Nélida Piñon, conhecido espaço de estudo para crianças e adolescentes da região. “Ela trouxe um bom hábito de leitura para alguns jovens da comunidade. Alguns deles aprenderam a ler lá”, conta Adilson Landmann Junior, 37, que é voluntário , professor de luta livre em um projeto social da favela e vive na Kelson’s desde os 7 anos. “O que seria do mundo sem os livros, sem a leitura?”, resume.

 

Como ajudar?

Interessados em contribuir para evitar o fechamento da Biblioteca Comunitária Nélida Piñon podem fazer doações através da conta bancária do fundador Geraldo de Oliveira:

Banco Bradesco
Geraldo de Oliveira
Agência: 0472-3
Conta-corrente: 124366-7

A biblioteca também já está fazendo uma vaquinha on-line para arrecadar doações.