BH: empreendedores periféricos trocam experiências em evento

801
Tatiana Silva. (Créditos: Paulo Silva)

A dor e a delícia de empreender na periferia foram o pano de fundo da sétima edição do FALA FA.VELA, evento que leva ao público histórias inspiradoras. Promovido pelo Fundo de Aceleração para o Desenvolvimento Vela (FA.VELA) no último dia 03, a ação teve como tema Juventudes na Tecnologia e apresentou jovens desenvolvedores da área, entre eles, a blogueira e ativista Lívia Teodoro, a fundadora da empresa Infopreta Buh D’Angelo e o fundador da startup Monetus Vinícius Costa.

O FA.VELA é a primeira aceleradora de negócios de base favelada do Brasil. Em três anos de atuação, a organização já acelerou 87 negócios em Belo Horizonte e região metropolitana. O último FALA FA.VELA também marcou o início do curso Corre Criativo, programa do fundo voltado para o público jovem, que tem como finalidade acelerar projetos e negócios de impacto socioambiental que dialoguem com o universo tecnológico. Serão quatro meses de capacitação em gestão empreendedora, sessões de mentorias individuais, workshops, visitas de campo, laboratórios, benchmarking e networking.

A seleção final para o Corre Criativo aconteceu no fim de semana, no Centro de Belo Horizonte. Ao longo de dois meses, a FA.VELA percorreu a Região Metropolitana para realizar oficinas e conhecer a realidade de cada local. 40 jovens periféricos serão selecionados para fazer parte do projeto.

Para a coordenadora do Corre Criativo Tatiana Silva, o evento serviu para celebrar a primeira oferta de formações no centro de Belo Horizonte. O programa recebeu 280 inscrições de 14 municípios. “Este evento nos permitiu ouvir a juventude que está sendo protagonista de transformações locais, liderando empreendimentos com ou sem fins lucrativos que contribuem para cidades mais resilientes e inclusivas. Foi uma oportunidade única para o diálogo entre gerações também”, comenta.