Bandido bom é bandido morto?

380
Créditos: Reprodução Internet

Malas de dinheiro com propina para o mandatário da nação. Avião com mais de meia tonelada de cocaína, cujo dono pode ser um ministro de estado do mesmo mandatário, para quem o que mais importa nessas escusas operações é o dinheiro fácil e a permanência no poder. Vida é o de menos.

Gravações palacianas, chantagens e acidentes suspeitos de avião demonstram que não há limites para o poder sujo desses crápulas. Nos meios de comunicação e nas redes sociais, só se fala da corrupção e o que ela está causando ao país. Os donos dos destinos de milhares de brasileiros brincam de casinha lá nos gabinetes, determinando quem vive e quem morre, se roubam próteses, se subtraem sonhos e esperanças de tantos jovens que um dia pensaram que conseguiriam vencer.

Esses políticos, que passaram a ser noticiados com a mão na massa, eu considero bandidos da mais alta periculosidade. Cada mala de meio milhão de reais desviada significa a morte de dezenas de pessoas, seja por bala perdida na falta de segurança ou ao recurso que falta para pagar o medicamento no hospital.

São bandidos que, sem nenhum pingo de vergonha, pedem propina a empresário para satisfazer seus luxos e fazer com que não percam a mamata do poder – da pior classe. Eles se apropriam de suas influências para traficar benesses, dividir vantagens entre os pares e trazer para si a continuidade de um mal enraizado nas suas entranhas.

Tudo isso afeta diretamente os menos favorecidos, os periféricos e favelados. Os desvios feito por eles tiram de nós o direito à vida, a liberdade e os sonhos. Cada real que é corrompido sai da escola que transformaria a vida daquele moleque que hoje porta uma “peça”, tira do pai de família o pão da mesa, deixa o trabalhador sem emprego e tantas outras tragédias.

Estamos diante de uma epidemia de roubos e desvios, com provas contundentes que nos deixam sem saber onde isso tudo irá parar. Só temos a certeza de que estamos sofrendo os reflexos de tudo isso de forma cruel e dura. O que tem sobrado para as periferias são mortes e ocupações, invasões ditadas por esses mesmo políticos que insistem em criminalizar a todos os que moram nessas áreas e a usar isso como desculpa para que não vejam que é neles que está a verdadeira culpa, que eles são, de fato, os piores bandidos.

E como a sociedade sempre pede: bandido bom é bandido morto.