Atrações culturais ocupam Parque Madureira no domingo, 27

4814
Créditos: Divulgação

No próximo domingo, 27, o projeto Ocupa Escola leva ao Parque Madureira uma programação artística diversificada. Neste dia, acontece a segunda edição do Festival de Encontros, que promove o engajamento da sociedade nos temas da Educação, arte e cultura para a reinvenção da escola. O evento é gratuito e acontece no Palco Samba, o principal do parque, das 10 h às 16 h.

O Ocupa Escola atua em 25 escolas públicas de rede municipal do Rio de Janeiro. O lema do projeto é “Toda escola é um centro cultural”. E a idéia é essa: uma escola com programação cultural regular, alunos ocupando os palcos e mostrando os seus talentos, assim como professores e toda a comunidade. Valorizar o artista local também é prioridade.

O Festival de Encontros começa com um café da manhã compartilhado, seguido de rodas de convesa sobre cultura nas escolas, pedagogia de matriz africana e danças urbanas na educação. À tarde, o público pode prestigiar atrações artísticas variadas. Os alunos das unidades escolares participantes também mostram seus talentos. É o caso da Orquestra de Cajóns Batucada DuNosso Bloco, da Escola Municipal Ministro Alcides Carneiro, em Campo Grande, e dos alunos-artistas Julia Silva e Yago Alonso. De Madureira, vem o grupo Oribhé e seu Sambaião.

As danças urbanas marcam presença com o grupo New Way Street e uma batalha envolvendo vários estilos, só com feras da cena hip hop carioca: JP Black, Luciana Monnerat, Maycon Almeida, Luana Lara, Leozim e DJ Andrey Fabuh. A dança afro vai estar representada pelo Afrostille, de Bangu. O coletivo Família Erva Doce, de Ricardo de Albuquerque, apresenta ainda o seu Sarau FED. O hip-hop hardcore da banda Bala N’Agulha é também uma das atrações musicais.

O Festival de Encontros ainda promete. Na programação, estão a Quadrilha Maluca, de Vila Isabel, Cia Portus de Dança, Cia Bonobando, Contrabando, Cia Depois do Ensaio e outros. Ou seja, Madureira vai vibrar neste domingo com tanta diversidade cultural e com a força cultural da juventude das periferias do Rio.