Anistia Internacional lança relatório anual sobre Direitos Humanos

738
Créditos: Divulgação

A Anistia Internacional anunciou nesta terça-feira, 21, os resultados do relatório anual O Estado dos Direitos Humanos no Mundo. O documento apresenta uma análise dos direitos humanos em 159 países, alertando para as consequências da retórica de “nós contra eles”, palavra de ordem em diversos discursos políticos.

O relatório traz apontamentos importantes, especialmente sobre a violência policial no mundo. Segundo dados, jovens negros, principalmente moradores de favelas e periferias, foram desproporcionalmente afetados. O documento apresenta ainda um tópico sobre a violação de direitos pelas forças de segurança durante os Jogos Olímpicos de 2016, quando operações policiais foram intensificadas nas favelas de Acari, Cidade de Deus, Borel, Manguinhos, Alemão, Maré e Cantagalo.

Créditos: Nyl de Sousa
Créditos: Nyl de Sousa

Durante coletiva de imprensa, a nova diretora da Anistia Internacional Brasil Jurema Werneck disse que o relatório O Estado dos Direitos Humanos no Mundo é uma oportunidade de mostrar a violação de direitos básicos, mas também de sensibilizar e engajar ainda mais pessoas. “Nenhuma crise é justificativa para a perda de direitos”, frisou.

Também estavam presentes familiares de vítimas de violência policial, como a norte-americana Marion Gray-Hopkins, mãe de Gary, jovem negro de 19 anos que foi morto pela polícia em 1999, a jamaicana Shackelia Jackson, cujo irmão foi morto por policiais em Kingston em 2014, e as brasileiras Rute Silva dos Santos, mãe de Davi Fiúza, jovem de 16 anos vítima de desaparecimento forçado em 2015 em Salvador (BA), e Débora Silva, representante do grupo Mães de Maio e mãe de Edson Rogério da Silva, morto em 2006, aos 29 anos.

 

Debate com personalidades negras femininas no Cine Odeon

FH7A4659
Jurema Werneck durante coletiva de imprensa. (Créditos: Divulgação)

A organização realiza nesta quarta, 22, o lançamento do relatório e o debate “Mulheres Negras na Resistência e Mobilização por Direitos Humanos”, que acontecem no Cine Odeon. Jurema Werneck, Marion Gray-Haopkins e Shackelia Jackson discutem o tema com a mestre em Filosofia Política pela Unifesp Djamila Ribeiro e a socióloga e ouvidora geral da Defensoria Pública do Estado da Bahia Vilma Reis. A mediação fica ao cargo da diretora do Geledés — Instituto da Mulher Negra Sueli Carneiro. A escritora Ana Paula Lisboa é a mestre de cerimônias.