A 10ª Bienal de Cultura da UNE

799
Créditos: Tarcísio Feijó/Cuca da UNE

Prestes a completar 80 anos de vida, a União Nacional dos Estudantes (UNE) realiza a sua décima bienal de cultura na cidade de Fortaleza (CE). É o primeiro grande evento que a entidade promove nesses tempos sombrios, em que a democracia e os direitos mais básicos do cidadão sofrem um golpe atrás do outro. E o tema dessa bienal não poderia ser mais apropriado: Feira da Reinvenção.

Com uma programação de muita qualidade, a capital do Ceará é palco de diversos debates, exposições,  performances, filmes e shows. O evento tem tudo para sacudir os quatro dias na cidade. Só o primeiro já foi espetacular. Conheci o grande cordelista Arievaldo Viana, que foi convidado pelo não menos incrível Marcus Lucena para abrir o festival numa homenagem ao grande Patativa do Assaré. Foi um momento muito especial, quando foram recitados alguns poemas desse mito nordestino.

À medida que o dia ia passando, as caravanas de alunos iam chegavam  e o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, ia se transformando numa verdadeira feira de idiomas, estilos e sotaques, afinal, a Bienal da UNE é o maior encontro de estudantes universitários da América Latina.

Créditos: Cuca da UNE
Alunos da UFRB chegam à Bienal. Créditos: Cuca da UNE

O primeiro dia foi muito concorrido. Tivemos palestras e debates importantíssimos com a presença de pessoas fundamentais na política, economia e cultura. No debate sobre a reinvenção da economia, o palco da Praça Verde recebeu dois pré-candidatos à presidência da república (o senador Ciro Gomes e a dirigente nacional do PSOL Luciana Genro), a senadora do estado do Amazonas Vanessa Grazziotin e lideranças políticas locais. Já no debate sobre a reinvenção da cultura, estiveram presentes o ex-ministro Juca Ferreira, a cineasta Ana Petta, a ativista e uma das lideranças da Marcha Mundial das Mulheres Liliane Oliveira e o cantor Tico Santa Cruz. Um detalhe: os dois debates foram simultâneos e duraram mais de 3 horas para plateias repletas de alunos e convidados. Ontem também o Dia da Visibilidade Trans e a Bienal não deixou passar despercebido. O público assistiu ao show do coletivo local As Travestidas.

Enquanto isso, no outro palco, acontecia a abertura oficial do evento. A presidenta da Une Carine Vitral fazia a abertura oficial do evento com a presença da vice governadora do Ceará e de secretários de cultura.

Finalmente, chegou a hora mais esperada da noite: duas bandas locais tiveram a responsabilidade de emocionar o mar de gente em que tinha se transformado a Praça Dragão do Mar. Abrimos com o lindo projeto Elas Cantam Belchior num show lindo e singelo. Quatro cantoras divinas mostraram parte da obra do gênio. Deram lugar para a banda de rock Selvagens à Procura da Lei numa apresentação que terminou nas primeiras horas dessa segunda feira.

E ainda faltam 3 dias…