39 deputados do Rio votam para libertar Picciani; saiba quem são

392
Julianne Gouveia
Parlamentares votam prisão. (Créditos: Julianne Gouveia ; ANF)

Quase 2/3 dos parlamentares da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro votaram para revogar a prisão dos deputados Jorge Picciani (PMDB), Paulo Melo (PMDB) e Edson Albertassi (PMDB), alvos da Operação Cadeia Velha, da Polícia Federal. Foram 39 votos contra 19. Picciani é presidente da casa e Albertassi é o líder do governo na Câmara.

Parlamentares do PT, DEM, PMDB, Podemos, PDT, PP, Solidariedade, PSD, PSDC, PSL, PROS, PTdoB, PHS, PSOL e PTB se posicionaram para libertar os acusados. O PSOL decidiu expulsar o deputado Paulo Ramos após ele contrariar a indicação do partido e votar a favor da revogação da prisão.

A decisão da Casa contraria a prisão preventiva do trio, decretada por unanimidade pela Primeira Seção do Tribunal Federal da 2ª Região. Picciani, Melo e Albertassi são acusados de uso dos postos das Alerj para práticas de corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e associação criminosa. Existe a suspeita de que os deputados beneficiavam empresários em troca de propina – só Picciani teria recebido R$ 83 milhões da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor). Eles se entregaram à Justiça na noite de ontem.

Além de saírem da cadeia, os parlamentares vão poder retomar imediatamente seus mandatos, seguindo o parecer do relator Milton Rangel (DEM) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Alerj. A decisão foi aprovada hoje por 4 a 2. Luiz Paulo (PSDB) e Carlos Minc votaram pela prisão. Já Miltom Rangel (DEM), Rosenverg Reis (PMDB), Chiquinho da Mangueira (Podemos) e Gustavo Tutuca (PMDB) – citado nas investigações – defenderam a revogação. Rafael Picciani se absteve.

Do lado de fora, manifestantes pediam a manutenção da prisão dos deputados detidos pela Operação Cadeia Velha. A polícia reprimiu o protesto pacífico com violência.

 

 

Confira abaixo os votos da sessão extraordinária.

Votaram pela revogação da prisão:
André Ceciliano (PT)
Andre Correa (DEM)
Andre Lazaroni (PMDB)
Átila Nunes (PMDB)
Chiquinho da Mangueira (Podemos)
Christino Áureo (DEM)
Cidinha Campos (PDT)
Coronel Jairo (PMDB)
Daniele Guerreiro (PMDB)
Dica – Jorge Moreira Theodoro (Podemos)
Dionisio Lins (PP)
Fábio Silva (PMDB)
Fatinha (SDD)
Filipe Soares (DEM)Geraldo Pudim (PMDB)
Gustavo Tutuca (PMDB)
Iranildo Campos (PSD)
Jair Bittencourt (PP)
Jânio Mendes (PDT)
João Peixoto (PSDC)
Luiz Martins (PDT)
Marcelo Simão (PMDB)
Marcia Jeovani (DEM)
Márcio Canella (PSL)
Marco Figueiredo (PROS)
Marcos Abrahão (PTdoB)
Marcos Muller (PHS)
Marcus Vinicius (PTB)
Paulo Ramos (PSOL)
Pedro Augusto (PMDB)
Renato Cozzolino (PR)
Rosenverg Reis (PMDB)
Silas Bento (PSDB)
Thiago Pampolha (PDT)
Tio Carlos (SDD)
Zaqueu Teixeira (PDT)
Zito (PP)

Votaram contra a revogação da prisão:
Benedito Alves (PRB)
Carlos Macedo (PRB)
Carlos Minc (Sem partido)
Dr. Julianelli (REDE)
Eliomar Coelho (PSOL)
Enfermeira Rejane (PCdoB)
Flávio Bolsonaro (PSC)
Flavio Serafini (PSOL)
Gilberto Palmares (PT)
Luiz Paulo (PSDB)
Marcelo Freixo (PSOL)
Márcio Pacheco (PSC)
Martha Rocha (PDT)
Osorio (PSDB)
Samuel Malafaia (DEM)
Waldeck Carneiro (PT)
Wanderson Nogueira (PSOL)
Zeidan (PT)